quinta-feira, 31 de maio de 2012

ESQUECERAM DE MIM? OU NÃO?


Vejo a noticia da Norma Benguell (http://cinemagia.wordpress. norma-bengell-saude-abalada-e-sem-emprego-em-vista/ ) 
e me da um arrepio. CLARO QUE DA MEDO! Também sou desprezada pelas novelas e produções teatrais. Mas, sei que meu medo é infundado. Tenho apartamento próprio, uma economiazinha, assistência médica razoável,(queria um convenio que incluísse o Einstein ou Sírio Libanês, mas aí já é demais, ainda não dá) e, trabalho em outros meios, os quais não comento. 


SOU UMA ÓTIMA ATRIZ, sem modéstia, porra! 
 Ja fui péssima atriz, mas aprimorei meu trabalho, fiz curso até na Itália, bla bla bla... enfim, confio em meu trabalho. 


O QUE ACONTECE COMIGO? 
ONDE FOI QUE ERREI? 
Claro que devo ter responsabilidade no fato de não ser lembrada para trabalhar na arte que amo. 

(Não quero aparecer na mídia por aparecer, NÃO TO PEDINDO ENTREVISTA. Falo o que quero por aqui mesmo)

ONDE FOI QUE ERREI? 
A RESPONSABILIDADE DE NOSSOS ERROS E ACERTOS É SOMENTE NOSSA. 
Excluindo tragédias pessoais, eu acho que nem errei tanto assim.
Ja conversei com meus terapeutas, psicólogos, psiquiatras em 10 anos de busca por mim mesma e não cheguei a conclusão nenhuma sobre onde errei para ser esquecida, limada da mente de autores, produtores, diretores, etc etc. 

NÃO TO PEDINDO EMPREGO PRA NINGUÉM!!! 



ACHO RIDÍCULO QUE COM MINHA IDADE (54 ANOS, SOMENTE 54 MESMO, NASCI em 1958), TENHA DE IMPLORAR PRA TRABALHAR, MINHA ÍNDOLE , MEU AMOR PRÓPRIO NÃO ME PERMITEM ESSA HUMILHAÇÃO, pois, eu digo, é humilhante mesmo. Quando um diretor te ve, até sai de sua frente. O Del Rangel, no SBT, quando fui cumprimenta - lo, me disse: Nicole, não estou contratando. Eu ri e sai de perto, eu estava arrasando como a Feliciana em Amor e Revolução, e ele, na época contratado pelo SBT nem via a minha novela. 
Muito antes disso, bem antes mesmo, eu tava meio mal, afastada, depressiva, e encontrei o Jayme Monjardim que tinha sido um doce comigo, éramos amigos na época em que foi assistente de direção em um filme meu, FILHOS E AMANTES, ele falou ao me ver: não tenho força na Globo. EU NÃO TINHA FALADO NADA AINDA! Cumprimentei e fui embora. Houve outro que já morreu e tinha sido meu amigo que sem querer sentou ao meu lado no avião e fingiu não me ver por medo que fosse receber pedido de emprego. 

AMORES DE MINHA VIDA, AMIGOS DO PASSADO, EU NÃO PEÇO EMPREGO até já pedi, mas tenho vergonha na cara, não peço mais e nem quero perder amizades. Prefiro amigos do que profissionais que deem a volta pra não me darem emprego.

Ah, sim, bem lembrado, tenho amor próprio. Muitos acham que porque se está fora da mídia perdemos o amor próprio. Quanta ignorância! Acha que foi à toa que paguei psiquiatra italiano entre outros nacionais pra não resgatar meu amor próprio??? EU, hein!! Tenho muito orgulho de mim mesma, até me orgulho de minha franqueza e transparência, embora nem saiba ser de outra maneira.

NÃO TO FUDIDA!

E,minha filha vai muito bem, garante futuros reveses que sei que não virão. (Atenção sequestradores de plantão, minha filha não paga resgate nem é milionária, só é uma boa filha)


Sei que Diretores, autores, produtores vivem num tormento sem fim de tantos pedidos de emprego. Eu entendo e acho natural que seja assim.


O QUE NÃO ENTENDO É:
Como foi que eu perdi o caminho? Qual minha responsabilidade?
Porque não soube conduzir minha carreira? 
De fato, eu não soube conduzir mesmo, mas tem tanta gente que comete mais erros do que eu e ta aí. Mas, pensando bem, se eu tivesse conduzido minha carreira de outra maneira eu estaria na Globo hoje, mas não sei qual deveria ser esta outra maneira.

Conclusão pessoal: Onde elas acertaram eu devo ter errado.

ESSE NÃO É UM RELATO TRISTE NEM AMARGURADO. NÃO esqueçam de meus 10 anos de tratamento, e saibam que ja recebi alta e ja fiz cursos até com a Louise Hayes ( Sou chic  também) 


Eu, como o antigo macaco , só queria entender.

Será que foi por causa da pornochanchada? Não, não foi. Todo mundo fez e nem por isso ficaram estigmatizados. 
Eu não me considero estigmatizada por isso, tanta gente bacana gosta de mim exatamente por esses filmes.


Eu fiz merda no passado, FIZ SIM, quem não fez???

Uma das merdas, (auto penitência) foi autorizar uma publicação de um livro sobre o cinema escrito pelo Alex Solnik. O livro era ruim demais, não era minha verdade, teve uma divulgação imerecida, mas eu já estava fora da mídia e sem trabalho nessa fase, então não pode ter sido isso.


Há pouco tempo lancei um livro escrito por mim mesma sobre o cinema nacional, a venda pelo site http://www.clubedeautores.com.br/books/search?utf8=%E2%9C%93&what=nicole+puzzi&sort=&commit=BUSCA  (Pode ir lá e comprar, é bom o livro e ta vendendo muito bem, da pra pagar meu seguro do carro e parte de meu condomínio.) 

mas, ao contrário do livro que o Solnik escreveu, este meu livro é do meu jeito, trato do cinema que fiz, é um documento histórico, escrito por quem trabalhou na pornochanchada, no entanto,  A BOCA DE SÃO PAULO (TITULO DO LIVRO) só foi divulgado por alguns blogs e pela TV Cultura no programa Metrópolis, isto pra mim, significa que o livro é bom e é sério.

Tudo bem, eu sei que não vou achar um motivo plausível para o esquecimento absoluto da Nicole Puzzi. MAS, nem por isso vou deixar de viver e ser feliz.

Sim, caros leitores, ou caro leitor, se for apenas um que ler isto aqui, eu tenho uma vida e sou feliz.
Amargurada jamais. 
Bem humorada para sempre! 
Afinal a conta psiquiátrica, os cursos caríssimos na Europa valeram. 
Beijos.


Por favor, não me façam homenagem póstumas, a zìngara me disse que vou viver até mais do que 80 anos, sei lá, mas vai que... 


PRETENSÕES:
Ah e eu pretendo viver muito bem até enquanto eu viver.

Pretendo, também, continuar trepando regularmente e beijando muito.

E aos diretores, autores e produtores, podem se aproximar de mim, eu sou bacaninha e não vou pedir emprego!  

ESPERO QUE TODOS TENHAM ENTENDIDO QUE ISSO É SÓ UM RELATO BEM HUMORADO.