quinta-feira, 26 de julho de 2012

GENOCÍDIO DE BRASILEIROS



  • DESRESPEITO À CONSTITUIÇÃO;
  • ABANDONO DA SAÚDE;
  • CÓDIGO PENAL E PROCESSUAL PENAL ULTRAPASSADOS;
  • FALTA DE APOIO À FAMÍLIA DE VÍTIMAS DE ASSASSINATO;
  • PROGRESSÃO DE PENA PARA PEDÓFILOS; 
  • FALTA DE EXAME PSIQUIÁTRICO NA SOLTURA DE MANÍACOS;
  • SEM LEIS EXEMPLARES PARA MOTORISTAS BÊBADOS;
  • SEM LEIS EXEMPLARES PARA ASSASSINOS DE MULHERES;
  • SEM RECUPERAÇÃO DE MENORES;
  • CADEIAS QUE NÃO RECUPERAM NINGUÉM;
  • CORRUPÇÃO;CORRUPÇÃO; CORRUPÇÃO; 
  • DISCORDA?????

segunda-feira, 23 de julho de 2012

A PAULISTA DO PARANÁ.

Ela era do Paraná, mas seu coração virou paulista, nem percebeu. São Paulo foi entrando devagar e foi concretizando o amor.
O humor era feito o clima de Sampa, de manhã ela chovia, a tarde esquentava e a noite nunca se sabia se vinha tempestade ou suavidade. Também podia ser ao contrário.
Apesar de altos e baixos, ela, em geral, mantinha suas atitudes num plano mais alto, feito a avenida Paulista. Mas, eram só as atitudes externas, por dentro era uma efervescência, onde se misturava um desejo de vida e morte. 
Do Paraná, restou a saudade da simplicidade dos pais, e, essa tal simplicidade insistia em permanecer em seu olhar. Qualquer um mais avisado poderia perceber a delicadeza e candura nas raízes mais profundas, feito as florzinhas de Onze Horas que grassava no jardim de sua infância. 
Ela era considerada bipolar, outros a tachavam de franca e verdadeira, muitos se aproximavam em busca de uma opinião sincera enquanto outros não suportavam serem vistos do alto de seu planalto, em meio às intempéries, carregando no olhar as florezinhas simples das Onze Horas. 

Se ela era feliz?
Às vezes sim, às vezes não, exatamente igual aos outros seres humanos. 
Mas, São Paulo era muito grande, muito.



domingo, 22 de julho de 2012

A doença

- Estamos em meio a uma epidemia! Eles não querem divulgar, mas é necessário falar, alertar. Uma epidemia devastadora, pior que câncer. Pior que Aids.

Após falar isso, me calei. 
Todos na mesa olhavam pra mim como se eu fosse louca ou  uma pobre coitada. 
Era um restaurante fino, desses reservados aos ricos muito ricos. 
Eu era a dissonância.
MAS, sou tinhosa. Insisti.
- Vocês não acham? Não podem fazer alguma coisa?
Compassiva, dirigiu - se a mim, uma moça muito fina. (Tudo é fino nesses lugares: as mulheres são finas, os homens são finos, garçons finos e, eu, fazendo a grossa. Dissonância total)

- Não devíamos falar sobre isso num jantar.
Mas, a finesse da moça fina me estimulou a criar caso.

- Eu acho que é aqui mesmo, nesse jantar incrível, com tantos animais mortos à mesa, com tantos vivos comendo os mortos, que me trouxe à memória essa doença. Essa epidemia.

- Por favor, cale - se. - Falou um senhor de roupas finas do Ermenegildo Zegna. Vá lá, ele não foi fino.
- Onde o senhor trabalha mesmo? Falei, com tola arrogância e nenhuma sensatez, pois, quem não sabia onde o elegante senhor, de roupas finas do Zegna, trabalhava? Todo munda sabia.
Ele se mostrou educado dessa vez e levantou - se.
- Vou cumprimentar o ministro que acabou de chegar. Com licença.
Na mesa, mal estar. Silêncio. Minha presença era insuportável naquele ambiente. 

Impávida, ( não consigo encontrar outra palavra que melhor se encaixe na minha atitude insaníssima), peguei meu prato e o prato da pessoa ao lado e saí.
- O senhor de terno Zegna vai pagar pelos pratos. Ele esta com o nosso dinheiro, mesmo.
O garçom fino olhou para o senhor fino, viu que era muito influente, ficou indeciso, mas com um fino aceno de cabeça o senhor fino me liberou para sair com os pratos, que eram muito finos.
A friagem da noite me chamou de burra!
Eu me chamei de burra, o mundo me chamava de burra.

No caminho de casa depositei os dois finos pratos na rua para um cão magricelo e amedrontado, que, sem confiar naqueles que o puseram lá a chutes e pontapés, aproximou - se somente depois que eu me afastei.
O cachorro comeu tudo. Olhou em meus olhos, barriga cheia, perdoando em mim todos as agressões sofridas e agradecido, me pediu.

- Me leva com você.

Abanou o rabo sem jeito e, tolamente confiante aceitou vir ao meu colo.

Em meu apartamento, de madrugada, dei um banho morno no cão. Não gostou muito não, mas aceitou passivamente, embora tenha rosnado para não perder a dignidade. 

Com o cachorro dormindo aquecido, cheiroso e o banheiro imundo, olhei pela janela e vi a vida.
A cidade tão linda. A vida tão linda estava se extinguindo devido a uma epidemia que teimamos em não combater, em não fazer nada. 
Quando apostamos em alguém que imaginamos poder curar essa doença maldita, vemos estarrecidamente que esse alguém foi contaminado e abriu uma conta em Liechtenstein. 








quarta-feira, 18 de julho de 2012

MEXE PRA VER


DESAMOR

Ás vezes dá uma vontade de não ser amada!!!
Só pra dizer: tá vendo, eu falei que ninguém me amava!


E, que vontade de gritar: EU NÃO AMO NINGUÉM!
Só pra dizer: tá vendo como posso ser má!


MAS, não consigo dizer. 
Consigo pensar, isso sim. 
Principalmente quando você se afasta de mim. Quando escorre entre meus dedos e o pó de ouro mistura com a lama. 


Não sou romântica! Nunca fui. Isso é o máximo que tenho de romantismo. 
Parta o meu coração que eu estilhaço o seu.
Em amor sou vingativa, uma fera, uma maldade pura. 
Não perdoo se se vai sem meu consentimento. Sou ruim.
Me ame ou saia de minha vida; se me machucar muito eu arranho a pele de sua alma.
Você não vai sair incólume do seu desamor. 

Você só sai se eu não te amar, ai você pode ir, mas se me ferir eu não te deixo partir sem sangue. 

terça-feira, 10 de julho de 2012

MORTE

Mais um dia, um mês, muitos anos.


Chove, faz sol, tempestade, neblina, céu azul.... MORTE
Acidentes, assassinatos, roubos, brigas.............MORTE
Nascimento, alegria, formatura, graduação.......MORTE
Curiosidade, crescimento, namoros, sexo.........MORTE
Billie Holliday, Marylin Monroe, Carmem Miranda, Elvis, John Lennon. George Harrison, Michael Jackson, Chico Anísio e os montes de fãs antigos ou atuais...... MORTE
Paul McCartney, Ringo Star, Silvio Santos, Caetano, Justin Bieber, Maria Gadu, Josés ou Marias..... MORTE 
Não é filosofice nem filosofia.
É a real da realidade.....MORTE
No final só sobra isso.
Resta a memória do ... MORTO

http://www.youtube.com/watch?v=maDnJcVbAoQ

segunda-feira, 2 de julho de 2012

PIRATEAR IDEIAS

SE EU FOSSE UM ARNALDO JABOR, ATÉ ENTENDERIA QUE PIRATEASSEM MINHAS POSTAGENS.
MAS, não sou mesmo. 
Nossas inteligências, minha e do Jabor, andaram por caminhos opostos. 
Tá certo. Todo mundo sabe por quais caminhos o intelecto do Jabor andou e qual caminho minha pobre e esforçada mente, não tão brilhante, tem andado. 
Sou realista e já me critico antes pra não dar brechas para aqueles mais inteligentes que eu,(afirmo que são muitos) possam desdenhar o que escrevo.
MAS, publiquei, recentemente, uma ideia que tenho ha tempos sobre o MOVIMENTO DO NADA (dá uma olhada lá, se quiser aperte o link, se não quiser, problema seu. Não aperte nada.)
PASMEM:
Já vi no Twitter alguém mudando algumas poucas palavras e repetindo como se fosse de sua própria autoria aquilo que minha cansada mente demorou para colocar no papel, ou melhor, no Blog. 
Puxa vida! Para que me roubar sem me falar, sem nem deixar um recadinho simples, como por exemplo: Bacana Nicole!? 
Mas,a pessoa reproduziu o que escrevi! 
COMO SE FOSSE IDEIA PRÓPRIA!
mas, QUER SABER?
To nem aí!
Uns nascem para seguir e outros para serem seguidos. 
Eu sigo o Arnaldo Jabor 
Esse pirata segue a mim, uma simples Nicole Puzzi. Tolinho.
AHAHAHA HA HA HA.. cóf cóf (onomatopeia de tosse) ah ah ah, AH! VAI BUSCAR SEU CAMINHO!