quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Elvis e eu



O que vocês estão achando? Que eu vou falar que conhecia o Elvis? Ou que estou com alguma  cisão das funções mentais, ou seja, esquizofrênica e tenho imaginado coisas?
Não, nunca vi o Elvis nem vivo e nem morto, como muita gente afirma te - lo visto.  Nunca estive próxima dele, nem ao menos em uma distância inferior a 5.000 kms. Mas, isso, de fato, não importa, não para mim, nem para muitos outros amantes do Rei.
Ele esteve presente em minha vida desde que eu era apenas uma menina inocente. ( já fui inocente sim, faz tempo, mas fui sim. Não duvidem!) 
Ele continua presente até hoje em meu princípio de entardecer. 
Como não amar certas pessoas? 
Como não amar o Elvis? Não sentir que ele faz parte de nossas vidas?
Tudo bem, você pode não gostar dele (saiba que isso é um absurdo em meu ponto de vista!), mas a maioria há de concordar comigo: O Elvis é um dos grandes amores de muita gente.
Eu sempre amei Elvis e continuo amando. 
E meu amor por ele nunca dependeu do seu peso, idade e muito menos da sua condição perante a Eternidade. 

O que importa é o olhar e a voz e a sua existência.

Declaro meu amor publicamente por Elvis Presley, sem medo e com certeza sendo compreendida por todos os outros amantes do Rei.

Outra coisa: Elvis era meu irmão quando eu era adolescente. Esquizofrenia? Não, pura fantasia de amor profundo pelo King.

Eu ainda te amo Elvis!