terça-feira, 16 de abril de 2013

PRETENSOS IRÔNICOS ATUAIS - DE ANDY WARHOL À IMITAÇÃO BARATA DE HOUSE

Gosto de ironia fina, bem humorada, que não destroi nem magoa, apenas provoca risadas e que, às vezes, alivia situações difíceis.  Um comediante lida muito bem com isso. É uma arte.

Mas....

Desde o lançamento e impressionante sucesso em escala mundial da série HOUSE, criada pelo genial David Shore, quem ficou atento deve ter percebido o recrudescimento de personalidades pretensiosamente irônicas e mal educadas. Em geral, indivíduos desprovidos de carisma, insossos, mal resolvidos e "cabecinhas dúbias" se reinventaram a partir do brilhante desempenho do consagrado Hugh Laurie e passaram a imitar as atitudes, maus humores, grosserias, pedantismo, arrogância entre outras não virtudes do médico mais amado/odiado dos últimos tempos na TV.
Esses imitadores da ironia, desprovidos do intelecto de Gregory, recusam terminantemente a admitir que assistem televisão, mas são capazes de descrever o  penteado do dia de Ana Maria Braga, a quem costumam chamar como uma grande e inteligentíssima descoberta íntima de Ana Maria Brega, como se a mesma fosse se importar com a inveja grossa feito xarope, mas de sabor amargo a esvair dos lábios dos neo - houses. 
É caso lamentável e de risos constatar o quanto essas figurinhas se ralam e rebolam para mostrar uma perspicácia que estão longe de possuir, uma inteligência que jamais lhes bafejou os hemisférios cerebrais. Correm atrás dos famosos "Warhol's fifteen minutes" embora nem saibam quem foi o americano quase eslovaco, pai da ironia pop e reinventor da pop - art.
Warhol foi original. Não há mais ninguém como ele. Nunca mais haverá. O mundo atual só permite ironias no estilo TV series, ninguém mais suporta ataques sibilinos por parte de quem quer que seja, nem mesmo do chefe, isso é assédio e dá processo.
Numa certa emissora eu conheci há muito tempo um produtor que berrava e ironizava a todos. Na época, a maioria se calava, depois de uns 15 anos quando o reencontrei ele era um santo, pois a emissora ameaçou demiti - lo devido ao seu temperamento irascível e perturbado. O produtor fez um tratamento terapêutico e virou gente que deve respeitar o direito dos outros de não serem suas vítimas.
Outro irônico que conheci foi um certo moço que ao ser abordado por um menor perdeu toda sua ironia e relógio caríssimo sem pronunciar um "ai".
Essa ironic way of life baseado numa imitação barata de um programa de TV não pode servir de desculpa para personalidades deformadas, burras e desequilibradas saírem por aí, destilando todo o baixo astral, maledicência e lama de suas mentes e corações encima de quem quer apenas viver ao seu  modo.
A liberdade de ser e fazer é algo conquistado a duras penas ao longo de milênios e permitir que alguém venha abrir a boquinha maldita carregada de ódio, com a desculpa de ser um housesinho é de uma vergonha ímpar. Medíocre é pouco.
Para ser um irônico verdadeiro como foi Warhol deve - se ser genial e quem imita série de TV, definitivamente, não o é.

A IRONIA DIRECIONADA À DESTRUIÇÃO DE OUTREM QUASE SEMPRE É APENAS INVEJA RECALCADA.


"No quinto círculo dantesco ressaltam, inquestionavelmente, as pessoas irônicas, furiosas, os soberbos, altaneiros e orgulhosos"