terça-feira, 22 de outubro de 2013

Amigos, Jornalistas, Âncoras e pessoas sensatas e inteligentes




Agradeço a todos que me apoiam nesse momento e que entendem o  porquê de respeitar vidas de outras espécies! Obrigada.

MAS AO OUTROS QUE NÃO ME ENTENDEM OU QUE CRITICAM DE MANEIRA TOSCA OS PROTETORES DE ANIMAIS E A MIM, PRECISO DIZER QUE:

1 - Não posso e nem tenho a pretensão de salvar desde elefantes a batráquios. A Natureza é sábia e deve ter tido um motivo para todos estarem vivendo sobre o planeta.
Não posso salvar as crianças, vítimas inocentes, da Síria, a bem da verdade, nem posso salvar as crianças das ruas e periferias de São Paulo.

2 - Há 20 anos, trabalho com salvamento de animais de rua, seja gato, cachorro ou pássaro, mas, em sua maioria é cachorro mesmo. Não esqueçam que estamos em uma metrópole, onde dificilmente se encontra animais como urso, baleias, onças, sapos, rinocerontes etc para resgata - los de maus - tratos. Além disso, meus recursos de atriz fora da mídia não permitem gastos extraordinários a fim de embarcar no navio de Paul Watson, e não possuo nem mais idade nem força física para tal aventura.

3 - Tenho consciência tranquila de nunca ter ficado com, digamos, o bumbum... bunda mesmo, pregada no sofá ou numa cadeira de funcionário bem pago e criticar atos dos outros sem buscar informação diversas e imparciais de gente mais instruída. Essa posição é  cômoda e egoísta, mas coroada de benefícios, pois lançando petardo sem arredar a bunda do sofá gosmento, dá -se a impressão de estar fazendo algo pelo mundo, afinal, esta posição confortabilíssima faz com que se sintam num trono alto, de onde pode - se comandar exércitos de mediocridade e ignorância e mesmo assim, sentir - se o centro do universo. 

4 - Sou apenas uma ex-atriz de pornochanchada de 55 anos, que se preocupa com os seres humanos e outros seres vivos. Apenas isso. Mas, devido à internet e por ser alfabetizada em colégios do Estado nos anos 70, eu pesquiso, leio, mudo de opinião quando vejo uma diferente e mais coerente do que a minha. Sou flexível. Não sento no sofá destilando veneninho invejoso a esmo. Meus dentes não possuem sulcos inoculadores e flexiono minha "bunda e pernas mentais" a fim de entender melhor o mundo.  

Quem faz, não fala, mas, fala sim quando é necessário. 
Então, acho necessário falar agora:
Na década de 80, tive muito dinheiro, ajudei na construção do "Centro de Convívio e Habilitação para Excepcionais Maria José" em Parelheiros, São Paulo.
Participei da reforma do Centro de assistência Social do Grupo Paz e Amor em Jesus, no Tatuapé, perguntem ao sr Abílio, presidente do Grupo na época.https://www.facebook.com/abilio.depaulasoares?fref=ts
Percorri ruas do centro da cidade de São Paulo, juntamente com voluntários da LBV, no atendimento à moradores de ruas, entre eles, meu filho amado do coração, Maurício, que teve de partir muito cedo, aos 25 anos quando ia se casar,  devido a complicações pulmonares pela longa exposição ao relento.
Trabalhei como voluntária na Febem e lá fui presenteada com outro filho do coração, que não pude adotar, pois eu era solteira e não era permitido naqueles dias adoção por mãe solteira.Encontre - o no FB, 
ou no Twitter https://twitter.com/ronigalvao Um filho que vive independente de mim, mas pelo qual me culpo (coisas de mãe) por não poder ajuda - lo devido aos meus recursos escassos .

PORTANTO, 
1 - NÃO EXIJAM DE MIM MAIS DO QUE ESTÁ ALÉM DA MINHAS FORÇAS!

2 - NÃO ME CRITIQUEM SEM LER ISSO ANTES.


3 - Vão para a p... para o inferno quem desdenha ou pensa que quero aparecer de qualquer jeito na mídia. Sejam mais criativos.
Reparem a data de 80 que coloquei no relato, para deixar claro que minhas decisões pessoais só vem a tona agora, pois quero dizer que:
HOJE EU CUIDO DE QUEM NÃO TEM CORDAS VOCAIS IGUAIS ÀS NOSSAS, PORQUE EU DECIDO A MINHA VIDA E NÃO A RAÇA MEDÍOCRE ATROFIADA E ATADA AO SOFÁ CONFORTÁVEL. 

Criticas de sofá é tacanhice de espírito

Agradeço a todos que me apoiam nesse momento e que entendem o  porquê de respeitar vidas de outras espécies! Obrigada.