quinta-feira, 12 de novembro de 2015

MINI CONTO DE TERROR

Gosto de escrever terror. Para mim, é relaxante.

Tenho o prazer de ser amigo do grande mestre do Terror no Brasil, Rubens Francisco Lucchetti. Apesar desse merecido título, R.F. Lucchetti é o ser humano mais sensível, tranquilo e equilibrado que já conheci. 




CONTO NUMERO 1 

 Casamento.


Cincoenta anos depois dessa foto, John and Kate estão na cozinha de sua casa na minúscula cidade de Adeline, Illinois. 
Kate inicia o diálogo.
- John, pensei em viajar. O que você acha?
- Para onde?
- Não sei ainda, mas tem que ser para uma praia.
- Praia?
- Sim. Qual a surpresa?
- Eu não vou!
- Problema seu. Eu vou.
- Se eu não vou, você não vai.
- Escuta aqui. Passei minha vida toda dentro dessa casa, limpando, arrumando e fazendo todas as suas vontades. São 50 anos de casamento. E eu digo: quero ir à praia, então eu vou.
- Não vai, Kate. Acabou o assunto.
Ela ergueu a faca que havia acabado de cortar o peru de ação de graças e cortou o pescoço do velho.
- Assim é o final feliz de uma linda história de amor. – Pensou, enquanto destrinchava John para colocar os pedaços do corpo no freezer do porão.
- Minha artrite vai me fazer atrasar para a praia.
Levou dois dias na árdua tarefa de cortar cada pedaço do corpo de seu antigo namorado, agora um velho marido insuportável e mandão.
No terceiro dia, levantou bem disposta, carregou os pedaços embrulhados para o freezer. Limpou o chão ensanguentado. Usou cloro puro. Ficou nessa árdua tarefa o dia todo, só terminando a tarde. Estendeu o tapete que ela mesma vinha tecendo havia cerca de dois anos. Achou tudo muito limpo, muito bonito, sorriu satisfeita e foi tomar seu banho.
No dia seguinte, levantou cedinho e, cantando You've Got to Hide Your Love Away, dos Beatles, pegou sua malinha rosa, a passagem de avião para o Caribe e andou em direção à porta de saída. Abriu a porta, sentiu o sol em seu rosto. Sorriu.
Ao tentar cruzar o umbral de saída daquela maldita casa onde viveu feito escrava durante anos, a velha senhora, outrora uma moça linda e sonhadora, sentiu um toque gelado em sua perna.
Baixou o olhar e lá estava a mão do esposo morto e mais adiante na poltrona preferida do marido dava para ver a cabeça do velho de lábios distorcidos.
- Se eu não vou, você não vai, Kate.
A velha senhora escutou essa frase que durante anos a dominou e sugou toda sua juventude.
Aguardou por alguns segundos.

- Fuck you, son of a bitch!
Deu um chute naquela mão gelada e foi para o Caribe.

Naquela pequena cidade americana, ninguém nunca mais ouviu falar nela, a não ser anos depois quando encontraram os ossos da mão e da cabeça de Mr. Wilson na sala e o restante de seu corpo conservado no freezer.