quinta-feira, 28 de maio de 2015

Bispos, Marinhos (Record e Globo) e as TETAS DA PORNOCHANCHADA.


Esses dias, li em uma página do Facebook, em que um aluno reclama do professor ter pedido para entrevistar pessoas da Pornochanchada.
Ele escreve:
- Que coisa difícil. O pessoal da pornochanchada está morrendo! Quem não morreu, está muito velho.
 E, o pessoal da Globo que fez pornochanchada não fala sobre o assunto.

Com bom - humor, retruquei com esta foto da Les Chux para meu programa Pornolândia do Canal Brasil e escrevi:
- Foto desta semana. Agora, fala que eu to morta ou acabada?

Claro que foi uma brincadeira. Todos colocamos "rsrsrsrs".
No entanto, fiquei pensando sobre a cruel verdade.
Nós da Pornochanchada estamos morrendo sem receber nem respeito nem o valor que merecemos!

Existem diretores e autores de cinema e Televisão que confessam serem fãs, sabem toda nossa vida, compreendem a dificuldade da época, mas, e daí?
Tem muita gente da pornochanchada, incluindo atrizes, atores, produtores, diretores e técnicos sem o menor reconhecimento, sem nenhum trabalho digno na TV, ou melhor, sem nenhum trabalho na TV.
Quando vejo um ator ou atriz, resgatado do nimbo em que nos mergulharam, numa novela, é sempre um papelzinho de caridade, uma participação especial. Essa é uma maneira de convidar o ator ou atriz, fazer uma caridadezinha numa participação e não se queimar.
Queimar com quem????
O que fizemos de tão sórdido para recusarem, terminantemente, a nos exporem na TV?
Qual a diferença entre nós da pornochanchada e daqueles atores globais que fizeram pornochanchada, mas renegam o passado?
Não tenho resposta para isso.

Posso comentar que recebi e outros companheiros também receberam convites de diretores e produtores importantes para trabalhar na TV Record e Globo e, de repente, eles somem. Eu sei que é puro preconceito.
De quem?
Dos Marinhos da Globo? Duvido.
Do Bispo Macedo? Duvido.
Acho que eles não se preocupam com isso.
O problema é mais embaixo. Bem mais embaixo. É baixo, mesmo.
Poderia citar nomes de todos que fizeram isso comigo e com companheiros da pornochanchada, mas sou discreta, vivi em 70 e por isso odeio dedo duro.

Conheço autores que foram lançados por mim ou por alguma outra atriz/ator/diretor/produtor da pornochanchada e com isso iniciaram uma grande carreira de sucesso, mas que se recusam, terminantemente, a nos convidar, nem por caridade!
Diretores que iniciaram na carreira como assistente de direção e que nós os acolhemos com afeto e amizade e que também se recusam a trabalhar conosco. Nem olham pra nossa cara!

Eu sou uma pessoa de sorte. Sobrevivo sozinha ou amparada por mãos amigas de pessoas que nunca tinham me visto antes, como é o caso da May Medeiros e Roy Lui de Paul, que me convidaram para apresentar o programa Pornolândia (que é sucesso) e, assim, me ressuscitaram.
Aliás, ressuscitar é o meu tema. Vivo ressuscitando minha carreira.(Ouvi isso do Raphinha Bastos que falava sobre a sua carreira.  Coube em mim sua observação).

Eu sou uma pessoa tranquila, não tenho ressentimentos, acho-me responsável por tudo de bom ou ruim que acontece em minha vida. Mas, dói ver meus amigos morrendo sem o reconhecimento devido e, o pior, vendo - os serem imitados, copiados, roubados em filmes ou programas recentes de TV.

Acorda gente! Homenagem póstuma é uma merda!
Ressuscitem os mortos vivos da pornochanchada enquanto estão vivos!

E, eu vou continuar tendo orgulho de ter sido atriz de Pornochanchada e que tudo mais.... Vá pro Inferno.

Obs. Isso não é um pedido de emprego. Não preciso. Não estou passando fome. Isso é um maneira de esculachar a hipocrisia de quem mamou e ainda mama nas tetas da Pornochanchada e que nos admiram, mas são fracos demais para nos chamar para uma produção de teatro, cinema ou TV.



domingo, 10 de maio de 2015

AMARGURA e INVEJA e VIDA


A saudades de um tempo que não volta e o desespero de não poder prevalecer a vontade de mudar o passado, transforma muita gente em amargurado ou invejoso de uma juventude encerrada e trancafiada num baú encima de um armário, pavorosamente, alto.

Outros, não são tão estreitos emocionalmente e conseguem largar o que já não volta. Acrescentam o passado ao altar sagrado às suas almas, respeitam a alegria e cada lágrima que os transformaram em seres únicos e singulares. Esses são sábios, sensíveis, irreverentes e alegres, podem ser inteligentemente irônicos, maravilhosamente ácidos, mas jamais amargurados e nunca invejosos, não enxergam motivos para invejar.

Voltando aos primeiros, - os tristes e macambúzios - aos inconformados com a rolança do Tempo, como dizia Mário Lago. Eles antecipam o estágio purgatorial em seu viver e no viver alheio.
Travestem - se de críticos sem espírito, de agressivos covardes, irônicos emburrecidos e um monte de energia é desperdiçada, dispersa e inutilizada.Sofrem e suam em vão. Morrerão no Nada resmungável do fraco, imbuídos de inveja e arrogando - se juízes dos desejos alheios, julgadores implacáveis do pensamento livre, mas, especialmente maldizendo e abominando o sexo dos outros. São regradores dos atos sexuais "indecentes" segundo suas máximas detestáveis, enfim, reivindicam o mórbido posto de fiscal dos genitais e penetrações alheias.

Triste gente que viveu sem ter vivido. Morrem sem viver. Apodrecem em vida. Dejetos orgânicos a serem esquecidos imediatamente após o féretro.

Gonzaguinha mostrou o caminho: viver e não ter a vergonha de ser feliz. 
O que acrescentar a esse verso? 
... Cantar e cantar e cantar na beleza de ser um ETERNO aprendiz. 


http://www.usp.br/espacoaberto/arquivo/2007/espaco75jan/0perfil.htm